26.1.09

Militar na situação de aposentado, Silvino Nunes faleceu na madrugada do dia 23 de Janeiro no Hospital de Tomar, aos 51 anos, vítima de doença prolongada. Defensor do jornalismo de proximidade, Silvino Nunes foi fundador dos jornais ‘Abarca’ e ‘Gazeta do Tejo’, sendo actualmente Director de Programas da Rádio Tágide, Cooperativa de Rádio Cultura e Recreio, com sede em Tramagal, onde exercia também o cargo de presidente da assembleia geral. A seu pedido, o corpo foi velado na Casa Mortuária de Praia do Ribatejo, onde residia, sendo cremado em Lisboa, no Alto de São João. Com o seu desaparecimento, o jornalismo regional fica mais pobre mas na retina fica a sua alegria de viver e os valores tradicionais que defendia e que procurava exaltar nos seus escritos. As mulheres pescadoras da Torre Fundeira, em Belver, que com ele partilhavam o resultado das pescarias, as participações nas matanças do porco à moda antiga, que só ele sabia onde e quando ocorriam, a defesa incondicional do fado e da música ligeira portuguesa são apenas alguns, poucos, exemplos da sua forma de estar na vida. Um 'pássaro', como se definia, e a quem desejo que, esteja onde estiver, possa ter um espaço que lhe permita um abrir de asas à sua dimensão.

2 comentários:

Tramagal1754 disse...

E' uma noticia que me deixa triste. O Silvino faleceu. Um homem que gostava da sua terra como ninguem e que procurou ao longos dos anos divulgar e promover o que de melhor se fazia em toda a regiao. Um verdadeiro homem do povo, que sempre trabalhou em prol do povo. Foi tambem um elemento imprescidinvel no sucesso da Radio Tagide, que assim fica orfa de um dos seus mais influentes colaboradores/directores. O jornalismo e a regiao estao sem qualquer duvida mais pobres com a morte do Silvino. Que descanse em paz.

carolina disse...

Sendo eu uma das pescadoras da Torre Fundeira,quero deixar aqui a minha saudade passado quase 1 ano desde a partida do nosso amigo